terça-feira, agosto 9

Nunca entenderei


Eu achei que já tinha visto todas as bizarrices do povo holandês. Eu estava errada.

Ontem, movidos por mais 2 casos de "burnout" no departamento ( são 4, num grupo de 60 ), tivemos um curso sobre o que é o burnout e como reconhecer os primeiros sintomas.

Primeira consideração é que a diretoria da empresa prefere nos treinar para reconhecer os sintomas do que solucionar as causas do problema.

Mas então, o profissional de saúde descreve o que é o burnout. É uma exaustão completa a longo prazo, e diminuição de interesse sobre qualquer coisa. Disse o profissional que é uma condição que vai agravando-se até culminar na crise, o tal burnout, que deixa o funcionário incapacitado.

A pessoa com essa crise acorda um dia sem capacidade para levantar da cama, sem interesse nem em ir tomar banho para começar o dia. Muitos nem contactam a empresa para avisar que estão doentes, no caso desses 4 foram as esposas que ligaram.

Eu, que não nasci a passeio, pensei nas dezenas de vezes que eu acordei com vontade zero de continuar o dia, de encarar o chefe ou de ir praquela reunião difícil, mas as contas precisam ser pagas, os gatos precisam de comidinha especial e a KLM aumentou os preços. Mas no meu caso, não tinha ( ou eu achava que não tinha ) chora-me-dói, eu tinha que ir pro trabalho.

Aliás, falando em chora-me-dói, essa condição só é reconhecida como problema de saúde aqui na Holanda, e se você pesquisar na internet, as pesquisas são todas de holandeses. O que me faz pensar que o povo aqui tá achando forma pra justificar o pânico que os ataca se alguém ousar chacoalhar um pouco a vidinha previsível deles.

Mas assumindo que os pesquisadores estejam certos, eu achei que o negócio se resolvia com um mês de malemolência em casa ou melhor ainda, que o cara vá pra um lugar ensolarado, andar de bicicleta ou beber Piñas Coladas à brisa do mar, mas nããããão, o negócio é serííííssimo, e leva até um ano para o funcionário se recuperar ( !!!! ). Eu juro que eu tento compreender, mas não consigo.

Um dos colegas voltou depois de 3 meses para trabalhar meio periodo, vem de manhã e na hora do almoço vai embora, todo com cara de constipação. Ele vai ficar trabalhando meio período por mais 3 meses.

O outro já está a 3 meses em casa mas vai ficar 6, porque o caso dele é mais severo. A mulher dele esteve aqui ( ela trabalha na empresa, em outro departamento ) e disse que ele "mal" consegue segurar um cigarro na boca. Ahá, "mal"… sei…

Eu acho que é essa vida sem dificuldades que eles tem desde o nascimento, já falei sobre isso aqui. Não é que eles sejam más pessoas, só não estão acostumados a adversidade. Acho eu.

Sabe o engraçado, se é que há graça nessa história toda? É que quando o arbo-arts ( médico do trabalho ) começou a falar dos primeiros sintomas do burnout, todos nós, que vivemos atolados de trabalho, estalamos os olhos: problemas de memória, irritabilidade, falta de concentração, problemas pra dormir ( sono o tempo todo ou não consegue dormir ), distúrbios de apetite. Ha ha ha, todos nós temos tudo isso…

Cadê a Dra. Alice pra me dizer se esse trem é de verdade ou é só mandar esse povo pra Minas que eles voltam tudim bão?

12 comentários:

Eliana disse...

Eu não sei, mas no Brasil, pelo menos o que tenho sabido, é que tem muita gente neste estado. No entanto, eles se referem mesmo ao estado de depressão profunda. Aliás vários conhecidos próximos lá estão neste estado, principalmente os "solitários". Mas olhando, o burn out tem a ver com a vida profissional, no wikipedia. Ou seja, se for realmente só pelo lado profissional, este povo então deveria ser direcionado a uma outra ocupação! Seria uma solução? Eu ainda acho que é bem o que você falou. Este povo não tem desafios no decorrer da vida, e acho que uma hora eles não acham graça em mais nada e ficam assim. Não é uma crítica, mas uma constatação. A gente que já sai do berçário, desafiando a vida deste o jardim da infância, somos muito mais escolados e fortes para as adversidades. Aqui eles não sabem lidar com isso, pelo simples fato de não estarem preparados. Aí dá nisso, "burn out" neles. Mas claro, esta é uma constatação pessoal, diante das coisas que a gente vê por aqui.

Joaninha Bacana disse...

Seu post me lembrou de uma história que ouvi a um mês atrás. Numa empresa perto da minha, o clima num departamento está pesadíssimo a meses: projetos e mais projetos e prazos estourando. Uma colega de trabalho minha tem uma amiga que trabalha nesse departamento. Dois colegas dela foram parar no hospital por causa de burn out. Há 1 mês atrás, chega um colega dela no escritório. Senta no computador, escreve algo no word. Abre a janela, e pula do quarto andar. O que ele estava escrevendo era a carta de despedida, dizendo que ele nao agüentava mais a pressao. Ele morreu antes da ajuda chegar.

Claro que nao sao todos os casos que terminam trágicos como esse, mas acho que burn out precisa ser levado a sério sim :-(

Beijocas!
Angie

Jaboticaba Preta disse...

Fiquei arrepiada com a história da Angie :/

Jaboticaba Preta disse...

Agora minha opinião sobre burnout. A cultura holandesa é muito robotizada. Todos tem que seguir a risca o que o manual manda fazer. Caso algo de errado, eles não são estimulados a encontrar uma segunda alternativa. Entram imediatamente em desespero.

Já a depressão...esse mal é mundial.

vcdarcie disse...

Pra mim parece que burn out é a mesma coisa que depressão. Acho que tem que se levar a sério sim! Depressão também muitos dizem que é frescura, mas só quem passa sabe que não é fácil sair do buraco!

Cris disse...

A minha única colega de departamento também teve isso e ficou 2 meses sem vir e depois voltou a trabalhar gradativamente... o pior é que nem cara de constipação ela fazia... vinha toda normalzinha e até foi à uma festa de casamento de um dos colegas.. e outra, em nenhum momento ela foi obrigada por ninguém à ir à um psicólogo para tratar da 'depressão', nem a empresa e nem o arbo exigiram isso já que ela não queria ir. Agora me diz aí, como curar uma depressão sem ajuda profissional??? E a pessoa em depressão vai à festas e sorri e conversa o tempo todo no trabalho?? Esse tipo de depressão é nova para mim.. ou seria um novo nome para a famosa "preguiça"? Porque cansaço todo mundo tem e se você estiver muito cansado, tira um tempo de folga ou um final de semana prolongado planejando não fazer nada mais além de descansar... o resto prá mim é preguiça.

Cris disse...

P.S.: Não quis dizer que não acredito em casos de depressão...
Só que alguns acabam abusando da situação pois em alguns casos é muito claro que a pessoa em questão não tem depressão coisa nenhuma.

Bruninha disse...

Dri,
Burnout não se confunde com depressão, pois, à semelhança do que ocorre com o assédio moral, há um componente de despersonalização não desprezível.
É mais frequente o burnout quando a pessoa não nutre relaçãoes interpessoais saudáveis e constantes.
Adoro o blog, aliás!
Abraço

Monica Peres disse...

Adriana,
Eu tive brunout diagnosticado em 2006, fiz tratamento psiquiátrico com remédios por 5 meses, psicoterápico por 18 meses e te digo sinceramente, não desejo aquilo para ninguém!
O diagnóstico foi "suado", pois embora eu trabalhe na área da educação, que juntamente com os profissionais da saúde são a linha de frente do burnout, eu era tratada como tendo "transtorno de angústia generalizada", depressão, síndrome do pânico, etc., etc.
Como vc é sempre uma pessoa bem informada, que não posta nada sem uma pesquisa básica, os sintomas iniciais do burnout são iguais os de qualquer trabalhador que viva com o mínimo de stress, difícil detectar uma “doença" nisso! Vc só percebe que tem algo MUITO ERRADO quando vc começa a "adoecer" (ou ter sintomas das mais variadas doenças) quando te é requisitado no trabalho algo que, normalmente, vc faria muito bem, com um pé nas costas. Talvez seja essa a tal de "vontade de ficar na cama" que vc leu e ouviu, mas não é dormindo ou em ócio, geralmente essa impossibilidade de sair de casa vem com sintomas como sudorese, diarréia, vômitos, alteração de pressão arterial, taquicardias, etc., etc.
Um vudoo do capeta.
Olha, o tempo afastado/folga não ajuda em nada, o que resolve é a ajuda médica e psicológica, onde vc começa a entender (E RESPEITAR) seus limites, suas dificuldades e suas impossibilitações, entendendo que embora vc seja uma pessoa capacitada e atualizada, precisa saber dizer NÃO para aquilo que não te faz bem.
Os BURNOUTeiros são pessoas com cargas de trabalho elevadas, geralmente com 2 ou mais vínculos empregatícios, que lidam com pessoas/público individualmente, trabalhadores que resolvem problemas e que estão nessa tocada a vários anos.
Eu fui vitima.
E olha que eu sempre achei que ser louco, é frescura! (sic)
A vida tratou de me ensinar, bem redondinho.
Entretanto, mesmo após adoecer, continuo ainda com a opinião: Tem muito preguiçoso pagando de louco.
Ah, isso tem!
bj
Mônica Peres

Alice disse...

A Mônica acima disse tudo.

Agora que pão de queijo quentinho cura quase tudo, lá isso cura.

Eu não recomendo testar a veracidade do BURN OUT...

Adriana disse...

Eu tive, levantei de manhã, troquei de roupa abri a porta e comecei a chorar. Não conseguia sair...não tava com medo..não parecia pânico. Mas, não conseguia sair. Liguei pra lá envergonhada, como explicar que vc não tem sintomas físicos? Tosse diárrea, dor de cabeça...
Liguei e disse que tinha tudo isso. Depois chorando liguei pra o médico..disse até que tinha mentido...ele mandou me acalmar e ligar de novo explicando que eu tinha tido um burn out...eu menti de novo no trabalho..segurei na questão que tinha tido tudo aqui..por causa do burn out. Porque eu estava com vergonha...tive depressão, não queria usar remédios , como usar com uma criança de 1 ano e meio? E a psiquiatra me deu um prazo pra me sentir melhor em 3 meses...se a terapia não ajudasse ia entrar no Prozac. Nesse tempo a psicologa me ensinou muita coisa...mas cheguei no fundo com ela...chorava muito quando saia de lá. Nesse meio tempo tive que voltar ao trabalho. O ARBO decidiu que se eu me sentisse útil iria melhorar mais rápido. Não desejo pra ninguém, não me envergonho mais...porém é muito difícil pra quem não passou saber o que é. Como Alice disse, não teste pra descobrir a veracidade. Uma das piores coisas é a sensação de desaprovação que algumas pessoa te lançam.

Simone Westerduin disse...

Adriana, eu acho que a Holanda meio que 'influencia' as pessoas a ter um burnout. Eu trabalho em uma empresa enorme, cuido entre outras coisas do sick leave e folhas de pagamento. Todo santo dia me liga um ou dois com doenca e nao sabem quando voltam, ok acontece, mas voce nao tem ideia de quantas pessoas estao ausentes no momento por burnout. Especialmente porque eu acho que verao e a melhor epoca do ano pra que isso aconteca. Toda vez que isso acontece eu lembro dos teus posts.La no trabalho a preocupacao 'e pra que todos se sintam bem, nao trabalhem demais e s'o faltam pedir pelo amor de Deus pra mais ninguem ficar doente.

beijos