segunda-feira, fevereiro 20

Tricô de carnaval

Tricô 1

Sobre o comentário da Alice no post abaixo, eu não disse ( nem penso ) que doença mental seja faniquito, só que aqui na Holanda os médicos são muito mais cuidadosos do que no Brasil ao indicar para um paciente que já é hora de voltar ao trabalho, portanto, quando o fazem, eu acredito que a pessoa tenha sim condições de ir se integrando novamente. Uma coisa que eu acho bárbara aqui na Holanda, e que teria me ajudado muito na recuperação da gastroplastia ainda no Brasil, é essa "volta aos poucos" ao trabalho. O colega com burnout começou dessa forma, todos os dias por 3 horas, acho muito melhor que simplesmente voltar 100%: um dia você está de cama, no outro você está negociando um pacote de €50 milhões.

No Brasil, quando operei, a empresa me deu 3 meses de licença, o meu médico me disse que pelo menos 30 dias. Depois desses 30 dias, eu não aguentava mais ficar em casa, e estava neurótica com o "impacto na carreira" que 3 meses ausente íam causar. Assinei um termo de responsabilidade e depois de exatos 30 dias, voltei. Agora imaginem, costuradésima, 13 pontões no bucho, cinta apertadíssima pra não dar hérnia, comendo no máximo 500 calorias por dia, os primeiros 15 dias só com alimentos pastosos ou bem macios ( arroz, pasta, purê )… O dia começava bem, mas as 2 da tarde, eu estava me arrastando! Teria sido ótimo poder trabalhar nem que fossem 6 hrs por dia.

O que eu acho nessa história toda, é que a pessoa que está com um problema tem sim que procurar tratamento, psicológico, psiquiátrico, físico, mas no fim, vai estar nas mãos do paciente em si dar aquele passo pra frente pra manter a máquina funcionando. Não adianta toda terapia e Prozac no mundo se a pessoa não der seus passinhos pra frente, nem que sejam passos minúsculos e lentos, serão ainda passos pra frente!

Um exemplo? Minha mãe. Em agosto farão 10 anos do divórcio. 10 A.N.O.S. Ela toma mil medicamentos para dores que segundo o médico não tem razão clínica para existir, ela toma anti-depressivo – mas vive pra baixo, ela só fala em doenças e o problema de todo mundo, qualquer membro da família, vira problema dela. As senhoras da idade dela estão fazendo cursinho de pintura, aulinha de dança no clube da terceira idade, hidroginástica, menos ela, porque isso dói, aquilo é muito caro, praquilo outro ela não tem paciência.

Trico 2

Hoje ouvi um comentário terrível aqui na empresa. Um ex-funcionário, parte do grupo que foi promovido comigo, saiu da empresa pra ir morar em Istambul. Quando efereceram esse emprego na Turquia pra ele, além dele estar bastante descontente aqui, estava também saindo de um namoro de 9 anos ( não sem quem entrou com o pé e quem entrou com a bunda ). O cara, que tem agora 30 anos, arrumou uma namorada lindíssima, que ele móóóórre de mostrar via mil fotos e filminhos no facebook. Entra de tudo um pouco nessa exibição toda, acho que no término do namoro ele foi a parte que entrou com a bunda que levou o pé. Ele sempre quis se exibir pros coleguinhas de trabalho e amigos ( tinha um Audi TT branco conversível, e nas 2 vezes por ano que fazia calor pra baixar a capota, ele chegava todo barulhento, oculozão Armani, só faltava o terno e sapato branco ) então agora a namorada lindona é um prato cheio. Mas então…

Ele estava aqui de manhã visitando os ex-colegas e perguntaram pra ele sobre a namorada. Ele respondou que ela tem 23 anos e é lituana. E um colega retrucou: tá explicado, aqui na Holanda uma mulher daquelas não te dá bola nem nos seu sonhos, então o jeito é ir buscar uma "pobre coitada" nos Balcãs ou em qualquer outro país de terceiro mundo. Eu só revirei os olhos e disse: ufa, ainda bem que meu marido me tirou da miséria lá no Brasil, mas coitado dele – se deu mal, podia ter importado uma loiraça dessas do leste europeu… Mas no fundo, dizer o que pro colega se até eu pensei que aqui na Holanda, um tipinho como ele, sem grandes atrativos físicos, assalariado ( se bem que o Audi TT branco conversível impressiona ), um chato de galocha infantilzão, realmente não atrairia as atenções de uma louraça com (meio) cérebro e potencial de modelo?

Trico 3

Nossa agência, a Arke, agora tem um módulo online para você fazer o tracking da sua viagem, e lá, a contagem regressiva mostra 88 dias até nossa ida pra Jamaica! Gente, parece uma eternidade!

Comentei com vocês aqui que a KLM agora oferece com 24 horas de antecedência, quando há assentos disponíveis, upgrades a preços bem convidativos ( €199 GRU-AMS para a business class ). A Arke, além de oferecer 3 classes ( premium, que é um pouco pior que a business da KLM – Comfort, que é um pouco melhor que a econômica da KLM econômica, que é um pouco pior que a econômica da KLM ) agora oferece um tal de "duo seat": você pode pagar a partir de €25 ( pra Jamaica sairia €60 ) pra bloquear o assento ao lado do seu, e se o vôo não lotar, aquele assento permanecerá vazio para te dar maior conforto / privacidade, se o vôo lotar, você recebe seu dinheiro de volta. Agora vejam só, se eles não conseguem vender todos os lugares, assentos ficarão vazios de qualquer jeito, pra eles tanto faz se é do seu lado ou do lado do Dunha, então porque não tentar arrancar mais eurecas da sua carteira? E olha, eu até acho uma boa idéia, por exemplo, a configuração do nosso vôo é 2-3-2, então seria legal pagar esses sessentinha-eurecas pra ter o lugar do meio entre o marido e eu vazio, principalmente na volta, que é vôo noturno.

Trico 4

Apesar do e-reader e do tablet, guia de viagem pra mim tem que ser mesmo em papel. Imagine se eu vou ficar carregando o tablet pros cafundós de uma floresta em Ocho Rios! Aqui na Holanda, um guia Fodor's ou semelhante custa menos que a metade que custa no Brasil, o que parece ser um bom negócio. Só que encomendando no UK via amazon.co.uk, sai menos que a metade daqui. Pra vocês terem idéia, o Rough Guide Jamaica aqui tá €30, no amazon tá 9 pounds. Se eu encomendar também o Indonésia, e o livrinho de receitas low carbs pra aproveitar o frete, sai uma pechincha. Agora vos pergunto: o que justifica essa diferença toda???

4 comentários:

Nadja disse...

Nossa quantas coisas! Nem sei por onde começar a comentar! Eu tenho medo dessas licensas médicas para ser sincera. Medo de um dia precisar delas e depois ser descartada pela empresa, mas concordo com você que todo retorno à rotina deve ser aos poucos, devagar e balanceado. Para não ter recaídas. Aliás, eu já sou do pensamento de que todo mundo deveria trabalhar meio período sempre, ser produtivo e depois ter vida pessoal e social... o que parece impossível como estamos atualmente (aqui pela menos, no Brasil).

Achei interessante esse negócio da Cia Aérea, é uma maneira de arrecadar dinheiro para a empresa e quem não quer garantir seu espaço livre, nem precisa se preocupar e tenta a sorte. ;)

Beijos!!!

Alice disse...

Continuo meio revoltada: se neguinho desenvolve uma insuficiência renal crônica ou coisa que o valha e tem que ter quase tudo adaptado em sua vida, ninguém (NINGUÉM!!!) vai ter a cara de pau de dizer que o camarada não tem força de vontade para retornar 100% a suas atividades produtivas. Vai ter uma doença psiquiátrica crônica prá você ver: em pouco tempo tá todo mundo berrando que o paciente é um fraco aprovetador e que tem mais é que ser cortado das diversas formas de assistência!

Voltar gradativamente ao trabalho é uma medida excelente para todos, seja a natureza da doença (período prolongado)qual for.

Marcia disse...

Sim, muitos assuntos para comentar, mas vou me deter no "colhega" que pelo jeito estava com inveja do outro, isso sim! Ô povo que adora falar na lata, credo. Lituânia faz parte do EU, a mocinha pode viver na Holanda tranquila. E logo logo vai ter muito europeu querendo casar com brasileira para sair do sufoco, você vai ver!

Bia disse...

Dri, tenta olhar guias e livros na www.play.com eles não cobram frete e geralmente os preços são bem melhores. O único "downside" que eu não tinha problema é o tempo de entrega, de até 14 dias. Tente e depois me conta se gostou. E tem tb este aqui http://www.bookdepository.co.uk/, que eu nunca usei, mas os meus "chefes" usam o tempo todo e gostam muito. Beijocas