quarta-feira, novembro 9

Enquanto isso, no interior do Congo...

Nossa secretária, de quem sou “quase amiga” ( transformer colega de trabalho em amigo aqui é um processo que pode levar décadas ), veio me contar o drama dela.

Aqui no Congo, as mulheres não fazem prevenção do câncer ginecológico  ( o famoso Papanicolau ) todos os anos como no Brasil. Antes dos 30 não se faz, e aos 30 você é presenteado com uma cartinha do órgão público de saúde com “papanicolau voucher”, e você vai ao seu medico para – alegria alegria – fazer um exame laboratorial ( fala baixo que essa palavra é coisa do capeta aqui na Holanda ). Depois disso o voucher-presente vem a cada 5 anos. E se você tiver alguma coisa entre esse periodo? Ué, cê morre, sô. Mas em defesa dos Holandeses, tem uma estatística matemática, com as variáveis X, Y, Z, as circunstâncias A, B e C, e conclui-se que a chance de você desenvolver um câncer, ele evoluir, e tornar-se incurável é coisa pouca, tipo 4% ou algo que o valha. Então, nos anos entre um exame e outro, ao invés do voucher-papanicolau você ganha um santinho com a reza de São Peregrino, que é o santo padroeiro dos doentes de câncer.

Mas voltando à secretária. Semana passada ela fez o tal exame, e como é procedimento aqui, ligou para pegar o resultado. A assistente informou que ela deveria falar com a médica. Na consulta, a médica disse que o resultado estava “anormal”, e que o colo do útero não estava liso como deveria estar. Disse que pediriam mais um exame, e acessariam a situação. A secretária, zonza, nem sabia o que perguntar. A médica não explicou as possibilidades, não elaborou sobre possíveis tratamentos, não tentou apressar o resultado do teste adicional. A coitada da secretária apareceu aqui no dia seguinte, com imensas bolsas debaixo dos olhos, e inchada de chorar: Adriana, e se eu tiver câncer, e se eu não puder ter filhos? Tudo o que eu pude responder foi: “Querida, a gente sempre pensa o pior, mas não pense o pior, eu conheço tanta gente com cistos, vai ver que é algo bobo assim. Mas se você está assim tão arrasada, não sofra, ligue pra médica e vá hoje mesmo falar novamente com ela, esse é o trabalho dela, cuidar da sua saúde física E MENTAL.

A moça ligou e a médica está de férias. Ela não pode receber uma cópia do exame para ir em outro médico, nem para falar com algum conhecido, nem para googar os resultados.

Apesar de ter feito as pazes com o fato de morar nesse país estranho, jamais entenderei esse sistema de saúde da União Soviética Comunista. Jamais me conformarei em ser tratada e ver quem eu gosto ser tratado como um monte de carnes com dados estatísticos anexado ao produto.

Juro, meus gatos tem melhor tratamento médico do que eu. O veterinário do Tyty me aconselhou a dar um banhinho morno nele depois dele fazer xixi na gaiolinha de transporte “pra levanter a moral dele, porque gato não suporta se sentir sujo”.

Veja se a médica da colega tá aí com a moral dela.

7 comentários:

Alice disse...

Há médicos e médicos. A nossa huisarts é das boas e amáveis. E meus pacientes também são muito paparicados.
Diga prá amiga que não há de ser nada grave. Entre um colo normal e câncer há milhões de graus de displasia e outros probleminhas.
E fazer papanicolau todo ano É jogar dinheiro, tempo e trabalho fora. Qualquer pessoa como o mínimo de noção de epidemiologia sabe disso.

S. W disse...

Adriana. Receita pra secretária uma visita ao Brasil. Se tem algo que Eu nao deixo de Fazer por lá é check-up e exames. Aliás todos OS brasileiros que conheço, porque a coisa no Congo ta feia.

Marcia disse...

Aqui na Deutschland papanicolau é de 3 em 3 anos, e depois dos 50, mamografia todo ano. Se quiser papanicolau todo ano pode, pagando separado. O sistema aqui não é tão tirânico como o holandês, pode trocar de médico fácil, não precisa ser o médico do bairro, pode ir direto a especialista, enfim, algo mais normal. E mesmo assim, reclamam. Ninguém é perfeito. E eu não dispenso check up no Brasil, nem que seja só para medir colesterol.

Rose e Lisa disse...

Adriana,

mas ai também foi erro da secretária né, como alguém recebe uma noticia dessa e não pede detalhes não pergunta nada e fica por isso mesmo, já deduz que pode ser câncer e pronto, o médico vai sair falando o que pode ou não pode ser sem a pessoa ter perguntado? Complicado né, depois o médico diz não se preocupe pode não ser nada sério e é? como fica? ou o médico faz um super drama e é algo simples?
Nesse caso, eu acho que cabe ao paciente perguntar e não adianta sofrer por antecipação, ou pior sem entender e sem perguntar.

pacamanca disse...

Aqui na Itália o papanicolau é de 3 em 3 anos também. Ultra durante a gravidez também é feita com conta-gotas. E nem vamos comentar sobre a qualidade do tratamento que os médicos dão aos pacientes - como se diz em italiano, "stendiamo un velo pietoso" (dêem uma googlada porque não sei como explicar mas a expressão é perfeita).

Line disse...

É por essas e outras que eu não dispenso meu checkup anual no Brasil!

Pode ser apenas um probleminha, pode não ser, mas enquanto isso a moça fica desesperada sem dormir.
Eu não faço questão de ser tratada como best friend e dar três beijinhos no consultório como muitos médicos no Brasil fazem, mas exijo sim ser tratada com o mínimo de respeito.
Independentemente da gravidade da situação, acho que meu sossego não tem preço! Além do mais, pago caro por ele!
O dia que essse povo parar com a mania de auto medicação com paracetamol, acho que as coisas vão melhorar!

Eliecy disse...

O objetivo do papanicolau é diagnosticar as lesões pré-neoplásicas (antes de se tornar câncer) e tratá-las. Quanto mais cedo o diagnóstico, mais altas as chances de cura. Conheço pessoas que foram curadas e pessoas que só por fazer esse exame tardiamente não tiveram cura e inclusive chegaram a óbito (caso na família). Então mulheres, previnam-se.