segunda-feira, julho 26

Ordem no caos


A Holandesa ( link ao lado ) escreveu sobre o turista que foi convidado a se retirar do vagão silencioso do trem porque estava com um bebê, e embora ela tenha achado rabugentisse de quem pediu, eu tenho aqui que registrar minha humilde opinião, porque eu sou versada no assunto, depois de dois anos pegando trem todos os dias, passando mais de 3 horas por dia neles…

O intercity de Eindhoven a Schiphol, como a maioria dos intercities, é bem grande, dizem que tem 15 vagões ( nunca contei ). Desses 15 vagões, o terceiro do fim pro começo tem MEIO vagão silencioso. Metada do vagão é primeira classe, e separada por uma porta de vidro fica área silenciosa do trem. Na porta externa do trem tem uma carinha fazendo pssst com o dedo e nos vidros as palavras stilte / silence. E para ter certeza que quem tá lá dentro entendeu, nas paredes tem o sinal proibindo celular, conversa e crianças. Aquele MEIO vagãozinho foi minha salvação nesses dois anos de viagem Eindhoven-Hoofdorp.

O holandês faz de um tudo dentro do trem. Ele lê, ele estuda, ele encontra o amigo e vai batendo papo até o destino, ele joga gameboy, ele escuta seu Ipod no último, ele come, brinca com os filhos, usa ( muuuuito ) o celular… A cacofonia em um vagão cheio é impressionante. Praquele viajante ocasional, que de vez enquando usa o trem, é suportável, mas coloque-se no lugar de quem senta ali por horas TODOS OS DIAS…

Naquele vagão silencioso, eu consegui dormir uns minutinhos a mais todas as manhãs ( lembrem-se que eu acordava todos os dias 5:30 ), na volta eu conseguia ler, às vezes trabalhar mais um pouco, tinha dias que eu estava com uma dor de cabeça insuportável ( porque tinha dormido pouco ) e o silêncio era muito bem vindo, eu estudava… Agora imagine se todos os dias, por um motivo ou outro entrasse um barulhento no vagão? E é aquilo, se deixou uma pessoa com um bebê, tem que deixar a adolescente com seu celular, o infeliz com o Ipod no último ( tsss tum tsss tum ), onde passa boi passa boiada.

Mas daí eu vou mais além. Se existem regras pro bom convívio em sociedade, não é meio óbvio que desrespeitar essas regras vai fazer a vida de todo mundo um caos, uma meleca?

A primeira vez que o Bart esteve no Brasil, quase morreu atropelado. Aqui na Holanda, no minuto que você coloca seu pé na faixa de pedestres, o trânsito pára pra você passar, 100% das vezes, a holandesada nem olha. O Bart viu aquela faixazinha meio apagada em SBC e nem olhou duas vezes, vuuummm… fui eu que puxei o coitado pra calçada e perguntei se ele tava louco. Agora morando aqui, eu entendo… E em Roma foi igual. E a mania de brasileiros de parar em qualquer lugar e ligar o pisca alerta? Você ali no meio da avenida, o trânsito pára e é o infeliz pegando pizza na padaria, emergência? Pra ele é! E o estacionamento do supermercado cheio de carrinhos? Você vai estacionar e antes tem que sair do carro, "limpar" a área, pra só então estacionar. Custa levar o carrinho de volta? E bituca de cigarro? Bituca de cigarro é universal, você, fumante, porque é que você tem que jogar aquela bituca no chão e pisar, não dá pra jogar no lixo? Você sabia que há mais de 15 anos TODOS os lixos publicos são feitos de plástico que não propaga fogo ( fire retardant pra ser mais exato )? E o sujeito que leva o cachorro fazer cocô debaixo da sua janela, na frente da sua porta, no meu bairro até tiraram foto da "obra canina" e postaram no site da vizinhança. Ninguém gosta, não é? E é tudo a mesma coisa, é o desrespeito com o coletivo, tanto o cara que senta no vagão com um bebê quanto o que não limpa o cocô do cachorro.

Então, se quiserem me chamar de rabugenta, join the club. Antes rabugenta do que egoísta e "asociaal".

8 comentários:

Jaboticaba Preta disse...

O que você fala é verdade! Eu também uso trem para trabalhar e confirmo que é bem diferente a realidade de uma viagem casual.

Nunca precisei levar jaboticabinha de trem, mas caso precise, será só em último caso. Aqui mulher grávida de 8 meses se quiser ir sentada, vai no chão. Ninguém oferece lugar para gestantes, idosos ou pessoas com criança de colo.

O vagão silencioso é também o mais limpo e o meu favorito. :D

Fernanda disse...

Devo confessar uma coisa: eu MORRO de implicância com pais sem noção.
Eu sei que, por exemplo, é mais fácil levar um carrinho gigante para o supermercado quando se vai fazer compras com o filho, pq vc coloca o filho e mais bolsa e outras coisas, mas cara, carrinho com bolsas penduradas bloqueiam QUALQUER corredor. É mais fácil pra mãe, mas e o resto do mundo??!!!
Ontem no aeroporto de Charleroi tinha duas mães com carrinhos gigantes andando um do lado da outra. Charleroi é um ovo, com um corredor estreiro, as duas iam andando no seu passo, parando de vez em quando para ver o que o filho queria e bloqueando o caminho de todo mundo.
As vezes não dá pra evitar o carrinho, mas cara, existem outras soluções para a maioria das situações. Ex.: se eu ia no supermercado sozinha, Rafa ficava em casa com o Mick. Se íamos todos juntos, sabíamos que um de nós ia ter que carregar ela no colo. No aeroporto: íamos com a Rafa naquelas “mochilas” canguru. Quando ela estava muito grande para ir na “mochila”: puro e simples colo.
Hoje ela tem 4 anos e mesmo assim, quando eu vejo que podemos estar atrapalhando (ex.: ela desce as escadas devagar, nada demais, mas pode ter alguém com presa, atrasado pra algo, que não TEM que aturar filho dos outros brincando de descer escadas. Se não tem espaço para um pessoa passar do lado dela, eu pego ela no colo). Te garanto que dá muito bem para carregar uma criança de 15kgs por um bom tempo! São 4 anos de treinamento.
Criança é bonitinho e engraçadinho, mas não é todo mundo que acha o máximo e não é todo mundo que está no mesmo estado de espírito que vc está (e mesmo sendo mãe, cara, qual mãe que nunca quis dar uns berros pra criança ficar quieta de vez em quando??!!!!)

Ooops, comentário gigante. Sorry.

Daniela Pedrinha disse...

É verdade.. não tem coisa pior que barulho qdo vc precisa se concentrar ou quer relaxar. Aqui no BR eu não ando de trem, só se fosse louca.. mas os busões (os frescões por exemplo) ainda dão para o gasto. Metrô no Rio está ficando complicado de usar nos horários de pico.

Eu odeio com todas as minhas forças, gente que senta do meu lado ou nas adjacências e fala a viagem inteira ao celular. Sorte de vcs que tem para onde correr. Aqui nesses coletivos não tem mto o que fazer não.

Espen qdo veio aqui estranhou pq todo mundo largava os carrinhos do supermercado em qualquer lugar. E foi olhado com estranheza qdo ele pegou o carrinho que usou e colocou no lugar certo. Ahh tb odiou as filas, a demora dos caixas em passar as compras e o trânsito sem lei do Rio de Janeiro.

E crianças berrando, pirraçando e chorando é um porre mesmo. Eu tenho ganas de pegar a criança e ver se ela se acalma. Tem pais que não fazem nada para acalmar o filho ou simplesmente berram, brigam fazendo a criança se esgoelar mais ainda. Educação é tudo.. não?

Holandesa disse...

Como eu disse, eu concordo e acho que quem ter filho tem que levar os outros em conta.
E para não ser 'associal', deve-se seguir as regras e as leis, mas a comparação de um turista com uma criança comportada não conhecer as regras da Holanda com gente que suja as ruas como por ex., bituca de cigarro foi um pouco longe demais ao meu ver.

No final das contas, de 'associal' todo mundo tem um pouco, por que seguindo a sua linha de pensamento, uma pessoa que pirateia livros, dvd's, cd's etc.., também seria. Ou seja, ninguém escapa!

Acho que o ser humano precisa de bom-senso (ou seja, levar os outros em contas não só com relação à crianças, mas também termos de higiene, saúde, usufruto de bens, etc..), mas também de tolerância, por quem sem ela também não existe Ordem é lugar nenhum.

Tem que se ter noção de quando 'associal' se passa a ser a pessoa que não tem tolerância nenhuma.

Essa é a questão.

Mines disse...

hahaha, eu que achava que era neurótica, posso ficar sossegada. Pelo jeito é normal.
Aqui na Suécia, com o babyboom desse ano, não dá pra anguentar aqueles carrinhos imensos em todo lugar... eles se multiplicam!

Ainda na questão de telefone... só pra ilustrar: ano passado sentou um ser humano frances do meu lado no Eurotrem (Londres Paris, último horario 22:30) sem mentira nenhuma o cara tinha 4 - Q.U.A.T.R.O. celulares diferentes os quais ele foi falando durante todo percurso de 2 horas!!!!!!! HAJA!

Adriana disse...

Holandesa, tudo bem o turista não saber que não pode sentar ali, mas ao perceber os sinais ou ser informado, deveria ir para outro vagão sem reclamar. Tolerância é comprar um ticket normal de trem, sentar num vagão normal, alguém sentar perto com uma criança, a criança chorar, você ter que aguentar porque afinal a pessoa tem o mesmo direito que você e criança chora mesmo, mas se eu espero o trem chegar, procuro o vagão silencioso, desligo meu celular, vou quietinha lendo, espero que quem esteja sentado ali faça o mesmo. É o direito de todo passageiro que procura aquele vagão, assim como é o direito do passageiro sentar com 10 crianças se quiser nos outros vagões, ou ir tagarelando com o amigo ou falando no celular, e se eu estiver sentado ali, eu tenho que tolerar.

Quanto à baixar arquivos via internet, não acho que seja associal, é ilegal, e mesmo assim, depende do uso que você dá ao arquivo. Hoje, na Europa, se você provar que você baixou um arquivo de um P2P para uso pessoal, você vai pagar uma multa mas não vai preso. Agora pergunto, se eu estou bonitinha em casa baixando o MP3 do Bonde do Tigrão, usando minha conexão de internet, vai atrapalhar você ou o meu vizinho? Então eu acho que uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.

Se é pra ser tolerante, vamos ser tolerante com o fedido do avião, porque vai ver que ele teve que correr pra pegar o vôo e não deu tempo de tomar banho, vamos ser tolerantes com motorista que tá com dor de barriga e não respeita a faixa de pedestre, com quem estaciona "dois minutinhos" pra pegar a pizza na padoca porque são só dois minutinhos mesmo...

Eu escrevi aqui sobre o meu vizinho com o tal nenê chorão, eu posso ir lá tocar a campainha e pedir pra ele parar com o barulho? Não, ele tá no direito dele. O máximo que eu posso fazer é afogar as mágoas num post rabugento. Mas o vizinho deu uma festinha e o barulho foi-se até depois da meia-noite e alguém chamou a polícia. Mas vamos ser tolerantes, né, não importa que já passa da meia noite e seu bebê de 6 meses não consiga dormir... Se todo mundo respeitar essas regrinhas básicas de convívio em sociedade, a vida de todo mundo será melhor. Pra mim, ranzinza é pai/mãe chato que senta onde não deve no trem e ainda reclama quando é convidado a se retirar.

humberto705 disse...

Estou cada vez mais seu FÃ!!

Holandesa disse...

Dri, so para terminar a history. O turista com a filhinha se mudaram pro vagao aonde eu estava sem reclamar ou fazer show. E a menina nao deu um choro a viagem toda...

Sobre pirataria, o teu vizinho pode nao sofrer com isso, a nao ser que ele seja o escritor, autor e nao esta recebendo o djin-djin merecido dele por causa da pirataria. Pra mim isso tb e asocial...

So sorry!