quinta-feira, junho 25

Filosofia barata de uma gorda desanimada

Minha dieta não está indo. Semana passada, a primeira, entreguei-me aos (des)prazeres das refeições a vapor novamente. E da pizza. Trabalhando até tarde, não queríeis que eu fosse ainda às compras e ao fogão, queríeis? Eis que no mercado rápido do sábado nem noto um artigo diferente no meu carrinho, paguei, e fui ver só em casa na hora de guardar: appelflappen congelados crus, para assar em casa, marca da casa AH. Bosta pensei, não gosto de appelflappen! Mas, Bart, que gosta, os assou, e gente, indico muito, que delííííícia! O que eu não gosto do appelflap tradicional é que ele é meio seco e aquelas pontas ficam sem recheio, mas o do AH é em formato de maçã, que além de ser uma graça, é ainda super bem recheado. Quem morar por essas bandas, comprem! E para quem não sabe o que é um appelflap, é isso aqui:



Daí, hoje, desvairada de fome no supermercado, não aguentei ver essas panquequinhas americanas, que eu nunca havia experimentado. Comprei. Amei. Amei muito. Amei demais da conta. Com margarininha light e um açuquinha ( !!!! ) de confeiteiro. Hummmm. Já disse que amei muito?



Terça foi aniversário do Gerente da Engenharia, o tal charmoso. Estava numa reunião e ele deixou pessoalmente um Bossche Bol pra mim. Ele é de Den Bosch, e dizem que essa iguaria é especialidade da região. É uma bolona de uma massa tipo a de profiteroles, recheada de um chantilly beeeeeem leve, e coberto com um chocolate bem gostoso. É ultra doce, é enjoativo, mas um bem feitinho... Aghhhhh...



Acho que é do dêmo se vingando do post que eu fiz sobre ele, me mandando todos os pontos vigilantes do pesístico possíveis pra cima de mim.

Ó Senhor, ajudai essa pobre filha redondinha. Ajudai!

PS.: Arrumarei a diagramação dessa bosta de Blogger amanhã, hoje tô indo dormir.