quinta-feira, agosto 12

A Marina


Eu, Adriana, enquanto eleitora, sou totalmente povão. Eu sou o perfeito exemplo do eleitor que se impressiona com imagem, que tem preconceito contra o partido, que gosta ou odeia pelo jeito do candidato falar, a única coisa que nem todo o povão faz é ler as propostas do programa de governo de cada candidato e dar uma googada pra ver o que o cara aprontou no passado. Mas então, Adriana é povão.

E se Marina quer ganhar o voto do povão, ela tem que contratar uma acessoria de campanha mais decente e o mais importante, ela tem que ser flexível e aceitar as mudanças.

Primeiro, o visual. Ela é crente? Qual a razão daquele cabelo num coque de tia véia? Olha pra Michele Obama, olha pra Condi, com aquela cara de professora de Geografia brava ela não está ajudando "a causa". E please, na TV não se usa branco, vamos deixar o terninho branco pra campanha de rua.

Paciência, diplomacia. Até com um chatonildo como o Bonner há que se usar dum certo tato, o eleitor assistindo o JN nacional tava ali nervoso só vendo a hora que os dois íam sair no tapa: cala a boca Bonner, responde aí o que eu perguntei e não escorrega, Marina. Uma vergonha. Eu não sei se ela se saiu melhor no debate, preciso pesquisar, mas o JN foi tenso.

Foco, foco e foco. Eu ainda não sei se ela simplesmente se empolga e perde o foco, ou se, o que é mais provável, ela simplesmente se alonga em assuntos nos quais ela se sente mais confortável na esperança de evitar os mais polêmicos. Independente da tática, ela deu ao Bonner a chance de insinuar que ela estava fugindo da pergunta. Não pegou bem.

Usar melhor o tempo na TV. Ela tinha 12 minutos, era pra ficar tagarelando? Não, era pra ser objetiva. Em certos momentos ela foi prolixa como o Maluf.

Diga-me com quem andas e te direi quem és. Nessa altura do campeonato, não ter uma aliançazinha sequer e querer fazer colar a idéia de que ela não tem o rabo preso com ninguém é ser inocente demais. Os outros partidos governariam COM ela ou CONTRA ela? Não se sabe né? Gosto do que o PT está fazendo, no fim, já que os Collors e Sarneys dessa vida tem mesmo poder político, melhor sambar no meu batuque do que ir cantar RAP no quintal de outro e falando contra mim.

PV. Pô, é PV meo. Cabeira fumando um back de alpargatas. Se eu perguntar pra Janilda o que é meio ambiente ela vai dizer que é marca de ar-condicionado ou remédio pra pressão alta. E tem muitas Janildas no Brasil. Metado do país não sabe o que é meio ambiente, da metade que sabe, metade tá pouco se lixando. É Brasil, meu povo, neguinho quer ouvir que vai ter mais ônibus na rua, ou que o metrô vai chegar na Freguesia do Ó, não que o partido vai exigir que os ônibus tenham suas emissões de CO2 controladas por órgão federal. Achei legalzinha a forma como ela tenta aproximar o tema ambientalista da população, ao falar de enchente, deslizamento e afins, mas "tipo", o eleitor tá pensando "se eu conseguir escola pro meu filho ser alfabetizado antes dos 16 anos, se eu conseguir sobreviver ao SUS, se eu achar um emprego e conseguir chegar nele à 8 de busão, aí eu vou pensar na poluição do rio Tietê ou nos afluentes do Amazonas".

E pra terminar. Bonner dá a ela 30 segundos, MEIO MINUTO pra fechar o programa, e ela começa: primeiramente quero agradecer a Deus… Pô, Marina, quando você estava na quarta série, aos 20 anos, não te ensinaram que o Estado é laico? Você pode ser crente, católica, umbandista no que me toca, e não vejo problema entre dizer que se é uma dessas coisas, mas você estará governando cristãos, mulçumanos, budistas, judeus e ateus/agnósticos, então agradeça a Deus no recôndido do seu lar, ou na igreja, ou onde for, fechar o JN agradecendo a Deus é demagogia barata.

E como diria uma tia minha, apesar de tudo, ela não é má pessoa… Mas presidenta do Brasil, sei não...


3 comentários:

Liliane Gusmao disse...

Adriana,
Marina é evangélica sim e só por isso não votaria nela se estivesse no Brasil, nada contra evangélicos mas como voce bem disse o estado é laico, e fica bem claro que ela não tem interesse em separar as coisas... Se estivesse no Brasil votaria na Dilma embora não esteja totalmente de acordo com o caminhos e as escolhas do PT, mas porque, para mim entre Marina e Serra a única opção é Dilma.

Simone disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Simone disse...

Eu acho que a Dilma com aquela maquiagem David Bowie anos 70 e aquela cara de professora do primário que dava reguada também não tem lá uma acessoria muito melhor não. Quando ela engrossa a voz então parece que o Agnaldo Rayol vai sair cantando de dentro dela, me dá agonia.

O Serra é uma caso aparte, digo perdido.

A plataforma da Marina é o meio ambiente, do que ela falaria então? Se o povo não consegue entender sobre isso, que votem no hipocondriaco do Serra, ou na cabeção da Dilma.